A História de Abraão (parte 7 de 7): A Construção de um Santuário

 

Abraão e Ismael Constroem a Caaba
 
Depois de uma separação de vários anos, mais uma vez pai e filho se encontram.  Foi nessa jornada que os dois construíram a Caaba por ordem de Deus como um santuário permanente; um local estabelecido para a adoração de Deus.  Foi aqui, no mesmo deserto árido onde Abraão deixou Agar e Ismael anteriormente, que ele suplicou a Deus para fazer dele um lugar onde pudessem estabelecer a oração, livre de idolatria.
 
“E recorda-te de quando Abraão disse: Ó Senhor meu, pacifica esta Metrópole e preserva a mim e aos meus filhos da adoração dos ídolos! Ó Senhor meu, já se desviaram muitos humanos. Porém, quem me seguir será dos meus, e quem me desobedecer... Certamente Tu és Indulgente, Misericordiosíssimo! Ó Senhor nosso, estabeleci parte da minha descendência em um vale inculto perto da Tua Sagrada Casa para que, ó Senhor nosso, observem a oração; faze com que os corações de alguns humanos os apreciem, e agracia-os com os frutos, a fim de que Te agradeçam. Ó Senhor nosso, Tu sabes tudo quanto ocultamos e tudo quanto manifestamos, porque nada se oculta a Deus, tanto na terra como no céu. Louvado seja Deus que, na minha velhice, me agraciou com Ismael e Isaac! Como o meu Senhor é Exorável! Ó Senhor meu, faze-me observante da oração, assim como à minha prole! Ó Senhor nosso, escuta a minha súplica! Ó Senhor nosso, perdoa-me a mim, aos meus pais e aos fiéis, no Dia da prestação de contas!” (Alcorão 14:35-41)
 
Agora, anos depois, Abraão mais uma vez reunido com seu filho Ismael, estabelecia a honrada Casa de Deus, o centro de adoração, para cuja direção as pessoas deveriam voltar seus rostos oferecendo orações, tornando-se um local de peregrinação.  Existem muitos belos versículos no Alcorão que descrevem a santidade da Caaba e o propósito de sua construção.
 
“E (recorda-te) de quando indicamos a Abraão o local da Casa, dizendo: Não Me atribuas parceiros, mas consagra a Minha Casa para os circungirantes, para os que permanecem em pé e para os genuflexos e prostrados. E proclama a peregrinação às pessoas; elas virão a ti a pé, e montando toda espécie de camelos, de todo longínquo lugar.” (Alcorão 22:26-27)
 
“Lembrai-vos que estabelecemos a Casa, para o congresso e local de segurança para a humanidade: Adotai a Estância de Abraão por oratório. E estipulamos a Abraão e a Ismael, dizendo-lhes: Purificai Minha Casa, para os circundantes (da Caaba), os retraídos, os que genuflectem e se prostram.” (Alcorão 2:125)
 
A Caaba é o primeiro lugar de adoração apontado para toda a humanidade com o propósito de orientação e bênção:
 
“A primeira Casa (Sagrada), erigida para o G6enero humano, é a de Bakka, onde reside a bênção servindo de orientação à humanidade. Encerra sinais evidentes; lá está a Estância de Abraão, e quem quer que nela se refugie estará em segurança. A peregrinação à Casa é um dever para com Deus, por parte de todos os seres humanos, que estão em condições de empreendê-la;” (Alcorão 3:96-97)
 
O Profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, disse:
 
“De fato esse local foi feito sagrado por Deus no dia em que Ele criou os céus e a terra, e permanecerá assim até o Dia do Juízo.” (Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim)
 
As Orações de Abraão
 
A construção de um santuário a ser preservado para todas as gerações posteriores era uma das melhores formas de adoração que homens de Deus podiam fazer.  Eles invocaram Deus durante seu feito:
 
“E quando Abraão e Ismael levantaram os alicerces da Casa, exclamaram: Ó Senhor nosso, aceita-a de nós pois Tu és Oniouvinte, Sapientíssimo. Ó Senhor nosso, permite que nos submetamos a Ti e que surja, da nossa descendência, uma nação submissa à Tua vontade. Ensina-nos os nossos ritos e absolve-nos, pois Tu és o Remissório, o Misericordiosíssimo.” (Alcorão 2:127-128)
 
“E quando Abraão implorou: Ó senhor meu, faze com que esta cidade seja de paz, e agracia com frutos os seus habitantes que crêem em Deus e no Dia do Juízo Final!” (Alcorão 2:126)
 
Abraão também orou que um profeta surgisse da descendência de Ismael, que seriam os habitantes dessa terra, como a descendência de Isaque habitaria as terras de Canaã.
 
“Ó Senhor nosso, faze surgir, dentre eles, um Mensageiro, que lhes transmita as Tuas leis e lhes ensine o Livro, e a sabedoria, e os purifique, pois Tu és o Poderoso, o Prudentíssimo.” (Alcorão 2:129)
 
A Caaba construída por Abraão e Ismael e a Estação de Abraão, que abriga a pegada do Profeta Abraão.
 
A oração de Abraão por um Mensageiro foi respondida vários milhares de anos depois quando Deus fez surgir o Profeta Muhammad entre os árabes, e como Meca foi escolhida para ser um santuário e Casa de Adoração para toda a humanidade, o Profeta de Meca também foi enviado para toda a humanidade.
 
Foi esse apogeu da vida de Abraão que foi a conclusão de seu propósito: a construção de um local de adoração para toda a humanidade, não para qualquer raça ou cor escolhida, para a adoração do Único e Verdadeiro Deus.  O estabelecimento dessa casa foi a garantia de que Deus, o Deus a Quem ele chamava e para Quem fez intermináveis sacrifícios, seria adorado para sempre, sem a associação com qualquer outro deus.  Foi de fato um dos maiores favores concedidos a qualquer humano.
 
Abraão & e a Peregrinação do Hajj
 
Anualmente os muçulmanos de todo o mundo se reúnem para responder à oração de Abraão e o chamado para a Peregrinação.  O ritual é chamado Hajj, e comemora muitos eventos do amado servo de Deus Abraão e sua família.  Depois de circular em torno da Caaba os muçulmanos oram atrás da Estação de Abraão, a pedra na qual Abraão ficou de pé para construir a Caaba.  Depois das orações um muçulmano bebe do mesmo poço, chamado Zamzam, que fluiu em resposta à oração de Abraão e Agar, provendo sustento para Ismael e Agar, e foi a causa para a habitação da terra. O ritual de andar entre Safa e Marwah comemora a busca desesperada de Agar por água quando ela e seu bebê estavam sozinhos em Meca.   O sacrifício de um animal em Mina durante o Hajj e por muçulmanos em todo o mundo em suas próprias terras, segue o exemplo da disposição de Abraão de sacrificar seu filho em nome de Deus.  E por fim, o apedrejamento dos pilares de pedra em Mina exemplifica a rejeição de Abraão das tentações satânicas que o impediam de sacrificar Ismael.
 
O “servo amado de Deus” sobre quem Deus disse “Designar-te-ei um imam dos homens” [1], retornou à Palestina e lá morreu.
 
Footnotes:
[1] Alcorão 2:125


Voltar



UNI União Nacional Islâmica
Telefones
(5511) 3227-9660
(5511) 3227-8663
uni@uniaoislamica.com.br

Imprensa
Núcleo de Jornalismo da UNI:
e-mail: imprensa@uniaoislamica.com.br

© Copyright 2012.
Todos os direitos reservados.